O que está acontecendo?

Piano digital Casio Privia PX 130 – um review

Piano digital Casio Privia PX 130 – um review

Estou aprendendo a tocar piano, do you know? Tentei começar usando um teclado e foi bem frustrante. Da mesma forma que violão e guitarra, piano e teclado são coisas muito diferentes apesar da aparente semelhança.

Diante do fato de que a minha intenção é aprender sozinho, após uma meditação de alguns segundos, conclui que para aprender direito precisaria ter um piano de verdade ao alcance dos dedos. Então, tendo a benção de (ainda?) não ser arrimo de família, me dei ao luxo de contrair mais uma dívida.

Como não é sempre que se compra um piano, pensei que seria interessante escrever um review e compartilhar minhas primeiras impressões.

O piano é esse, um Casio Privia PX-130 WE:

É um piano digital. Pode parecer apenas um teclado com mais oitavas, mas é bem mais que isso. O piano digital é concebido para emular o piano tradicional de cordas naquilo que é mais importante: a sonoridade e a pegada das teclas.

Vantagens do piano digital sobre o de cordas

Além de ser um instrumento musical maravilhoso, o piano é uma obra de arte em forma de mobília. Mesmo quando silencioso na ausência do músico, preenche qualquer ambiente com o charme da sua presença. Tanto o de cauda quanto o de armário. Infelizmente, pianos são instrumentos caros, ocupam muito espaço e necessitam de cuidados especiais, por isso em alguns casos o moderno piano digital pode ser vantajoso, a saber:

  • Relativamente barato
  • Ocupa pouco espaço
  • Leve e fácil de transportar
  • Não necessita ser afinado

QUALIDADE DO DIGITAL

Pode ser uma grande asneira eu falar isso mas consigo traçar um paralelo entre pianos digitais e ebooks. Ambos têm a mesma essência que seus originais. O importante é o conteúdo e o que se obtém a partir dele.

Mas não tenho lá toda essa certeza de que (já) é possível emular toda a dinâmica e amplitude sonora do piano tradicional no mundo digital.

Os modelos mais simples e baratos são indicados para músicos amadores e iniciantes pois cumprem bem seu papel. Para profissionais e/ou músicos mais exigentes, existem modelos mais apropriados. O modelo PX130 é indicado para quem se encaixa no primeiro caso, mas nada nele limitaria seu uso por um profissional. Veja esse vídeo de Tempei Nakamura esmigalhando um Casio PX 130 nas ruas de Londres no monte Etna (!):

http://www.youtube.com/watch?v=e8XFVdzk8Xc

Aproveite pra assistir também o vídeo oficial de apresentação da Casio.

http://www.youtube.com/watch?v=6E90JGRaFkY

APARÊNCIA E CONTROLES

O Privia PX 130 tem design sóbrio e minimalista. Na primeira olhada tem-se a impressão de que não há muitas opções a se regular. Nada a fazer além de tocar. Isso não é verdade, pois muitos dos comandos são feitos usando-se a combinação do botão function com algumas das 88 teclas.

No painel frontal estão presentes 8 botões, incluindo o volume. Na lateral direita estão localizados o botão power e duas saídas para fones de ouvido no tradicional padrão P1. Na traseira, a conexão de fonte de energia, USB e pedal footswitch. Na parte de baixo, a conexão para o jogo de 3 pedais padrão em pianos reais.

Veja algumas fotos:

Detalhe mostrando os botões: Volume, Function, Song/Demo, Recorder, Metronome, Grand Piano Modern/Reverb, Grand Piano Classic/Chorus, Electric Piano/Duet. Detalhe do conector P10 para o footswitch Damper Pedal (modelo SP-3, fornecido com o piano). É o chamado pedal forte, sua função é prolongar a ressonância das notas. Também se vê o conector de fonte de energia (bivolt automática) à direita.

Os principais comandos são intuitivos, de maneira que mesmo sem o manual é possível descobrir como fazer algo específico numa rápida experiência tentativa-e-erro.

Diferente de um teclado convencional, um piano digital é naturalmente simples e objetivo. É ligar e tocar, não há o que programar, assim como não há grande variedade de timbres ou acompanhamentos.

O Privia PX 130 possui recurso de metrônomo e modo dueto, funções úteis para estudo e aprendizagem.

Para mais detalhes consulte o manual em português disponível em pdf aqui.

SONORIDADE

São 16 Watts de potência sonora real, o suficiente pra encher uma sala de tamanho médio. Mais números: 88 teclas, polifonia de 128 notas e 16 tipos diferentes de som, que vão do indefectível grande piano de cauda ao orgão de tubos, passando por alguns sintetizadores populares. Usando-se a conexão USB MIDI e samplers externos, o céu é o limite.

O piano vem com 60 composições consagradas na memória, que podem ser iniciadas pelo botão demo e através do número correspondente usando-se as teclas. Acompanham o piano o manual impresso em português e uma brochura com as partituras das músicas constantes na memória.

Conectando-se o piano a um computador, no modo armazenamento, você tem um pequeno espaço de 4 mb para armazenar algumas músicas em formato “.mid”. Considerando-se o tamanho comum de arquivos desse tipo, é memória suficiente para acrescentar mais umas 60 composições. Também é possível gravar uma execução musical.

O som de piano é extremamente realista mas para perceber bem isso é necessário dar espaço para que ele reverbere pelo ambiente. Como os falantes estão posicionados na parte traseira é importante manter alguma distância entre o piano e a parede. As duas saídas de fones possibilitam a captação e amplificação externa, o estudo sem perturbar o próximo e outras possibilidades.

Ao contrário de sintetizadores, que geram e modulam o som através de um circuito oscilador, o piano digital tem seus timbres baseados em amostragem, isto é, foram usadas pequenas gravações de notas executadas num piano de cordas. Essas pequenas gravações são a base sonora do piano digital. Através disso se consegue uma sonoridade muito próxima ao da fonte real.

Já ouvi o som de piano de inúmeros simuladores e teclados e também pude escutar ao vivo alguns pianos verdadeiros, além do que conheço de gravações. Posso dizer que o PX 130 tem som de piano de verdade. Entretanto, não tenho como comparar com outros modelos e marcas de pianos digitais.

Por isso, vale aquilo que eu disse antes, por ser um instrumento de custo acessível em relação a outros modelos e marcas, é um excelente piano digital para estudo e uso amador, mas nada nele pode ser considerado inferior e que limite seu uso por profissionais ou virtuoses.

TECLADO

Apesar de ser iniciante no piano, já alisei (ui!) pianos e teclados/sintetizadores suficientes para poder afirmar que o teclado do Privia PX 130 oferece um bom equilíbrio entre maciez e pegada, de maneira que é possível uma execução vigorosa e ligeira com boa resposta. O peso das teclas foi calculado para oferecer versatilidade, ou seja, se comportar adequadamente em qualquer estilo de uso sem perder as características próprias de um teclado de piano. Provavelmente existem pianos tradicionais com teclados que deixam a desejar se comparados ao do PX 130.

Também é possível afirmar isso quanto a qualidade sonora. E disso eu tenho certeza.