O que está acontecendo?

O que está acontecendo?

O que está acontecendo?

Capa do livro Brasil: nunca mais

Foi o que eu me perguntei quando ouvi os primeiros sinais de que um impeachment iria realmente retirar Dilma Rousseff da cadeira de presidente. A partir de então tenho visto uma grande bola de neve descendo a montanha. Ou uma grande ficha telefônica caindo do céu, como naquela charge.

Quem me conhece sabe que eu sou e sempre fui um pessimista, constantemente perdendo tempo em pensar sobre o pior que poderia acontecer. Bem, hoje mais do que nunca continuo com meu modo de ser e a realidade me dá cada vez mais razões para isso.

Agora estou vendo pessoas ao meu redor, amigos, familiares, conhecidos e desconhecidos, se ajuntarem em torno de um objetivo comum: eleger como presidente um homem cujo histórico de vida e ação vai contra tudo que há de melhor no coração humano. Podem dizer que estou exagerando ou que estou mal informado. Talvez eu esteja. Como pessimista, sou afligido pela dúvida e por não conhecer a razão de todas as coisas. Eu queria saber tudo, mas só sei que meu copo está sempre meio vazio.

Mas enfim, não é esse o ponto. O ponto é uma notícia ou duas que li hoje.

Um grupo técnico composto de nove generais, um brigadeiro e diversos outros membros ativos e da reserva das Forças Armadas, além de um punhado de políticos e civis, estão em Brasília, coordenando a campanha e a futura gestão do candidato que é atualmente o preferido pelo povo.

O povo, esse que vota, sabe? Esse que está sofrendo um bombardeio de desinformação muito bem coordenada e muito bem paga. Esse povo que está tendo seus nervos puxados para fora da pele e jogado na arena para lutar em nome de algumas ideias há muito retiradas dos estandartes.

Pois então, li que um dos generais coordenadores dessa campanha disse o seguinte: "Os livros de história que não tragam a verdade sobre 64 precisam ser eliminados".

Não é preciso ser muito estudado sobre a história do Brasil para vislumbrar através das letras que compõem essa frase a gigantesca possibilidade que está ali atrás. Infelizmente a realidade se mostra mais arredia do que minha imaginação e aparentemente está tudo muito bem, tudo na mais perfeita normalidade.

Como dono de um sebo, lugar onde uma sociedade democrática mostra sua face mais saudavelmente devassa, vejo com extrema preocupação as coisas que estão chegando e logo dobrarão aquela esquina ali da história brasileira.

A informação, a formação e os livros são as primeiras vítimas de qualquer governo absolutista. Como disse uma vez o poeta alemão Heinrich Heine, onde estiverem queimando livros, logo estarão queimando pessoas.

Para um pessimista e fraco como eu, só resta rezar para o deus que não acredito e continuar tentando abrir os olhos dos que apesar de tudo, ainda amo. Aos demais e para a posteridade só posso deixar esse aviso aqui registrado.

Fontes: https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/09/28/general-ligado-a-bolsonaro-fala-em-banir-livros-sem-a-verdade-sobre-1964.htm e https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/10/qg-de-bolsonaro-em-brasilia-funciona-em-hotel.shtml